Imagem ilustrativa da internet.

Para um grupo de teóricos da conspiração, estamos prestes a entrar nas últimas semanas do planeta Terra. Isso porque, segundo esse pessoal, o gigante e misterioso planeta Niburu vai colidir com a Terra e o eclipse que acontece no dia 21 de agosto de 2017 é uma prova disso! Saiba mais sobre esse boato, que já foi desmentido pela Nasa

De acordo com o numerologista David Meade, o eclipse desse mês deve sinalizar que o tal planeta Niburu – que nunca foi observado – está para colidir com a Terra.

Meade não tem argumentos lá muito convincentes, mas a teoria deixou algumas pessoas preocupadas na rede.

A agência espacial norte-americana Nasa já afirmou publicamente que o caso é puro boato e que não há prova nenhuma de que esse tal planeta existe.

Niburu também é chamado por internautas de Planeta X e vem sendo usado em “previsões” do fim do mundo desde 2003.

“Fim do mundo, parte 2”: o eclipse é um fenômeno que deixa teóricos da conspiração em alvoroço.

O tal Meade afirmou nesse ano que Niburu deve se chocar com a Terra em outubro, após ser puxado por uma estrela binária.

Ele diz que o tal corpo celeste é difícil de observar por conta do seu ângulo de aproximação com a Terra. As informações são do Daily Mail.

O eclipse total poderá ser visto na América do Norte, América Central, Caribe e na parte norte da América do Sul.

No Brasil, o eclipse poderá ser visualizado nas regiões Norte e Nordeste.

O evento terá cobertura em tempo real da Nasa. Então, você pode dar um tchauzinho para Niburu se conseguir enxergar o planeta passando na frente da Terra.

Deixando as brincadeiras e teorias da conspiração de lado, o eclipse será capturado como nunca antes e permitirá que os cientistas tenham informações mais precisas sobre o funcionamento do Sol.

Segundo informações da agência France-Presse, o evento tem grande relevância para as agências espaciais e para o público, afirma Madhulika Guhathakurta, a cientista principal da Nasa para o eclipse de 2017.

De acordo com a especialista, o fenômeno tem importância científica e também educativa para o público.

— Este evento irá rivalizar com a aterrissagem na Lua de 1969 como um marco para uma nova geração.

Fonte: Portal R7